As tropas do governo iraquiano e as milícias populares conseguiram cercar a cidade de Ramadi, província de Al-Anbar, em três frentes e preparam-se para lançar uma ofensiva contra o Estado islâmico, que conseguiu tomar grande parte da província ao início da última semana.
 
São milhares as forças iraquianas, agora que as milícias populares xiitas se uniram ao governo. Oficiais do exército disseram à Associated Press que já foram lançados vários ataques aéreos contra os terroristas e já existiram combates no terreno a oeste e sul de Ramadi.

Milhares são também os que já abandonaram a cidade e estão a causar uma crise humanitária.

Os pormenores da operação ainda não são conhecidos, mas sabe-se que além de Ramadi, as forças iraquianas tentam libertar Fallujah e a refinaria de Baiji.

As forças iraquianas têm, ainda, planos para cortar as linhas de abastecimento dos islamitas que controlam também parte da Síria se estão a preparar para tentar alargar a influência noutros países, entre eles o Afeganistão.
 
O governador da província de Kunduz diz que um grupo de militantes que lutam ao lado dos talibã se aliou também Estado Islâmico, com o objetivo do grupo é tornar a província um refúgio para extremistas.
 
As autoridades dizem que os sinais da presença do EI são crescentes e as bandeiras negras do grupo já foram avistadas em aldeias da região.