logotipo tvi24

«Dia da Raiva» no Iraque faz pelo menos 5 mortos

Milhares em manifestações por todo o país

Por: Redacção / PO    |   2011-02-25 11:59

Pelo menos cinco pessoas morreram e 15 ficaram feridas, no Iraque, quando as forças de segurança abriram fogo, esta manhã, na tentativa de dispersar a multidão de milhares de manifestantes que se concentraram em várias cidades naquele que foi determinado como o «Dia da Raiva».

Segundo uma testemunha no local disse à agência EFE, três iraquianos foram abatidos depois de terem lançado uma granada contra um edifício oficial de Mossul, onde estava o presidente do Parlamento iraquiano, Osama al Nujayfi, e seu irmão, Azil al Nujayfi, governador provincial de Ninawa.

A morte dos manifestantes originou um tumulto e a tentativa de invasão do edifício, a sede do conselho municipal. Acabou com ainda maior repressão, segundo descreve a EFE.


Bagdad está fechada, escreve a agência noticiosa AP, que, no entanto, refere a existência de um morto confirmado. As forças de segurança estão a dispersar todos os grupos de manifestantes que tentam dirigir-se à Praça da Libertação, no centro da capital, e que estará debaixo de fortes medidas de segurança, com helicópteros no ar, tanques e outros veículos militares.

O Iraque é cenário nesta sexta-feira de manifestações por todo o país, convocadas essencialmente por redes sociais como o Facebook. À semelhança do que aconteceu noutros países da região, tratam-se de protestos por melhores serviços públicos, contra o desemprego e combate à corrupção.

Partilhar
EM BAIXO: Internacional
Internacional

Manifestação violenta em favela de Copacabana faz pelo menos um morto
Pneus foram queimados para criar barricadas e ouviram-se tiros no bairro da cidade brasileira
Acidente de comboio na RD Congo faz pelo menos 30 mortos
Comboio descarrilou próximo da ponte Katongola, na província de Katanga
EUA vão enviar 600 soldados para a Polónia e países Bálticos
«Desde a agressão da Rússia à Ucrânia, temos estado constantemente a analisar formas de tranquilizar os nossos aliados e parceiros», disse John Kirby
EM MANCHETE
Protestos violentos no Rio de Janeiro
Há registo de pelo menos um morto numa favela de Copacabana em tumulto. Imagens mostram caos a menos de mês e meio do Mundial de Futebol
«Opção do Governo é tornar definitivos os cortes temporários»
«Há limites para o que um Presidente pode dizer»