«Dia da Raiva» no Iraque faz pelo menos 5 mortos

Milhares em manifestações por todo o país

Por: Redação / PO    |   25 de Fevereiro de 2011 às 11:59
Pelo menos cinco pessoas morreram e 15 ficaram feridas, no Iraque, quando as forças de segurança abriram fogo, esta manhã, na tentativa de dispersar a multidão de milhares de manifestantes que se concentraram em várias cidades naquele que foi determinado como o «Dia da Raiva».

Segundo uma testemunha no local disse à agência EFE, três iraquianos foram abatidos depois de terem lançado uma granada contra um edifício oficial de Mossul, onde estava o presidente do Parlamento iraquiano, Osama al Nujayfi, e seu irmão, Azil al Nujayfi, governador provincial de Ninawa.

A morte dos manifestantes originou um tumulto e a tentativa de invasão do edifício, a sede do conselho municipal. Acabou com ainda maior repressão, segundo descreve a EFE.

Bagdad está fechada, escreve a agência noticiosa AP, que, no entanto, refere a existência de um morto confirmado. As forças de segurança estão a dispersar todos os grupos de manifestantes que tentam dirigir-se à Praça da Libertação, no centro da capital, e que estará debaixo de fortes medidas de segurança, com helicópteros no ar, tanques e outros veículos militares.

O Iraque é cenário nesta sexta-feira de manifestações por todo o país, convocadas essencialmente por redes sociais como o Facebook. À semelhança do que aconteceu noutros países da região, tratam-se de protestos por melhores serviços públicos, contra o desemprego e combate à corrupção.
PUB
EM BAIXO: Internacional
Internacional
COMENTÁRIOS

PUB
PS: desemprego é «doloroso desmentido» para o Governo

Taxa de desemprego em Portugal subiu para os 14,1%, segundo o Instituto Nacional de Estatística. Num mês mais 11,7 mil portugueses ficaram sem emprego. Aumento da taxa para 14,1% «é uma má notícia». Oposição culpa Governo. Socialistas entendem que «políticas ativas de emprego» só serviram para estimular «trabalho precário» e «camuflar» a realidade. «Foram 12 mil as pessoas que ficaram sem emprego em fevereiro. É uma brutalidade», diz BE.