O Vaticano apelou, esta terça-feira, aos líderes muçulmanos que denunciem a brutalidade do crime dos militantes do estado Islâmico (ISIS), avança a Reuters.

«A terrível posição dos cristãos, Yezidis e outras religiões e minorias éticas no Irão exige uma posição clara e corajosa de líderes religiosos, especialmente os muçulmanos», afirma o Vaticano em comunicado.

O Vaticano solicitou ainda que seja aplicado um castigo a quem cometa os crimes e o restabelecimento de um estado de direto em todo o território, assegurando o regresso dos refugiados.

O Conselho Pontífice para o Diálogo Inter-religioso condenou ainda os militantes pela «desprezível prática da decapitação, crucificação e exposição de corpos em lugares públicos» e de raptar mulheres e raparigas para as mutilar genitalmente.

«Nenhuma causa e, certamente, nenhuma religião, pode justificar tamanha barbárie», reitera o comunicado.