A Rússia construirá nos próximos anos pelo menos três porta-aviões de propulsão nuclear, anunciou sexta-feira um dirigente da Corporação Unida de Estaleiros, grupo que reúne os maiores estaleiros e oficinas de desenho de navios russos, noticia a egência EFE.

«Os cientistas e desenhadores já trabalham no modelo do futuro porta-aviões. Por agora decidiu-se que será de propulsão nuclear», assinalou o vice-almirante Anatoli Shlemov.

Explicou que se prevê construir no mínimo três porta-aviões, um deles para a Frota do Norte e outro para a do Pacífico, e admitiu que mais tarde esse número pode subir para seis, em função das necessidade da defesa e das possibilidades económicas do país.

O vice-almirante recordou que o presidente russo, Dmitri Medvedev, ordenou em Outubro a criação de um programa nacional de construção de porta-aviões para iniciar o seu fabrico «nos próximos anos» e manifestou a esperança de que isso ocorra até 2015.

Segundo Shlemov, o Ministério da Defesa ainda não decidiu em qual dos dois estaleiros rivais serão construídos os navios: ou o do Báltico ou no árctico Sevmash, com sede no porto russo de Severodvinsk, nas margens do Mar Branco.

Shlemov assinalou que os futuros porta-aviões estarão dotados de aviões de coberta de quinta geração, de descolagem horizontal clássica, que substituirão o modelo actual Su-33, e de aparelhos espiões não tripulados que estão a ser desenhados pela indústria militar russa.

Acrescentou que os novos porta-aviões, ao contrário dos anteriores, já não transportarão mísseis de cruzeiro.