O portal WikiLeaks publicou o primeiro vídeo do ex-analista da Agência Nacional de Segurança, Edward Snowden, que se encontra refugiado na Rússia apór ter revelado o programa de vigilância PRISM dos Estados Unidos.

As imagens foram registadas numa reunião algures em Moscovo, entre Snowden e outros quatro norte-americanos envolvidos na denúncia das atividades do PRISM da Agência Nacional de Segurança (NSA) que vigia cidadãos em todo mundo através das ligações telefónicas e de internet.



Esta reunião é o primeiro ato de Edward Snowden relacionado com as denúncias desde que conseguiu asilo temporário na Rússia, em agosto.

No depoimento registado em vídeo, o ex-analista afirma que a falta de transparência do Governo norte-americano «é uma tendência que se verifica na relação entre os governantes e governados» nos Estados Unidos.

Snowden critica também o Departamento de Justiça norte-americano que, afirma, «rejeita processar os altos responsáveis que mentiram ao Congresso e ao país» e que não hesita em «perseguir aqueles que dizem a verdade», referindo-se diretamente ao caso em que se encontra envolvido.



«Existe um grande fosso entre os programas legais, a espionagem legal, a polícia legal e que têm objetivos específicos (...) Mas depois há um tipo de vigilância massiva que coloca toda a população sob um grande olho que vê tudo mesmo aquilo que não é necessário», afirma Snowden no vídeo.

O antigo funcionário da NSA chegou a Moscovo no dia 23 de junho, depois de uma curta estadia em Hong Kong, onde revelou o programa PRISM depois de ter fugido dos Estados Unidos.



Snowden foi obrigado a permanecer na zona trânsito do aeroporto internacional de Moscovo durante cinco semanas, tendo sido impossibilitado de viajar para a América Latina após Washington lhe ter anulado os documentos de viagem.



A Rússia acabou por lhe conceder asilo temporário no país, o que causou uma crise diplomática com os Estados Unidos.

Até hoje, a organização WikiLeaks de Julien Assange só tinha publicado uma fotografia de Snowden com os quatro denunciantes das atividades da NSA, da CIA e do FBI e em que participou Sarah Harrison, uma colaboradora do portal.



No encontro, que decorreu em local que não foi revelado, os ex-técnicos dos serviços secretos norte-americanos entregaram a Snowden o prémio Sam Adams 2013 com que foi distinguido por ter revelado o programa de espionagem massivo dos Estados Unidos.



Os participantes da reunião de Moscovo são Jesselyn Radack que revelou informações sobre as atividades ilegais do FBI; Thomas Drake que denunciou as atividades da NSA; Coleen Rowley que conseguiu informações sobre o FBI e Ray McGovern que tornou públicas as atividades da CIA.