Dois meses depois do desaparecimento do avião da Malaysia Airlines, a 8 de março de 2014, o Ministério Público de Paris abriu na quarta-feira uma investigação por homicídio.

De acordo com o jornal «Le Monde», o inquérito foi aberto por «homicídio involuntário devido a violação deliberada de um especial dever de cuidado e precaução imposta por lei ou regulamento».

O pedido de investigação surge uma semana depois de um relatório divulgado na Malásia apontar a resposta lenta das autoridades ao desaparecimento do aparelho. Decorreram quatro horas entre o momento em que se constatou que o Boeing 777 tinha desaparecido e aquele em que o alerta foi lançado oficialmente.

O Ministério Público francês pôde abrir o inquérito porque quatro franceses, alunos da escola francesa de Pequim e a mãe de um deles, estavam entre os passageiros do avião, de que continua a não haver sinal. O aparelho pode ter-se despenhado no oceano Índico, mas as buscas massivas que têm sido feitas não permitiram até agora encontrar qualquer vestígio dos destroços.