A União Europeia (UE) vai avançar com um pacote financeiro de apoio à Ucrânia mais elevado do que se esperava, sendo que são 11 mil milhões de euros em empréstimos e subsídios ao longo dos próximos anos, com o objetivo de retirar a economia do país da grave situação em que se encontra.

O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, disse que o auxílio, que vai ser discutido nesta quinta-feira, em Bruxelas, pelos líderes da UE, depende das reformas que o novo Governo de Kiev fizer e da assinatura de um acordo entre a Ucrânia e o Fundo Monetário Internacional (FMI), que têm mantido relações difíceis nos últimos anos, informa a agência Reuters.

«O pacote combinado pode permitir um apoio global de pelo menos 11 mil milhões de euros», afirmou nesta quarta-feira Durão Barroso, acrescentando que o dinheiro é proveniente do orçamento da UE e de instituições financeiras internacionais com sede na UE.

Enviado da ONU ameaçado

Por seu lado, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, anunciara nesta terça-feira um pacote de apoio monetário dos Estados Unidos à Ucrânia de 730 milhões de euros em empréstimos.

As informações ainda são escassas e contraditórias, mas, ao que tudo indica, o enviado especial das Nações Unidas à região da Crimeia, Robert Serry, foi ameaçado por homens armados, segundo relata a televisão britânica ITN.

O grupo seria pró-russo e conseguiu fazer com que a missão de Serry terminasse por ali. Contudo, a ONU negou já que o seu representante tenha sido raptado, como chegou a ser noticiado, mas confirmou as ameaças de que foi alvo, de acordo com a Reuters.