Do trapézio para uma cadeira de rodas, um trajeto de vida que não era esperado por oito mulheres que viviam no limbo, artistas de circo.

Oito trapezistas ficaram gravemente feridas num espetáculo de circo em Providence, nos Estados Unidos, quando uma corda aparentemente se partiu e as oito mulheres caíram de uma altura de cerca de 20 pés sob o olhar impotente do público.

O acidente ocorreu no início de maio e até esta terça-feira não tinham sido vistas publicamente. Ontem, quatro das mulheres deram uma conferência de imprensa num hospital de Boston, onde estão a recuperar.

Surgiram em cadeira de rodas e não quiseram adiantar muito sobre a sua recuperação, mas, estas mulheres, de várias nacionalidades entre os 20 e os 30 anos, têm uma certeza: as suas vidas não voltarão a ser as mesmas.

«Tinha o sonho de ser uma artista, agora o meu sonho é voltar a levantar-me e a andar», confessou Julissa Segrera, de 20 anos, citada pela Associated Press.

Outra confessou: «Temos muita sorte em estarmos vivas». Mas, um longo caminho de recuperação as espera.

As oito trapezistas já escolheram os advogados e estudam agora um processo contra quem fez o trapézio ou sobre o próprio recinto do espetáculo, agora que o pano caiu, de vez.