As autoridades indianas anunciaram, esta sexta-feira, a morte da nona vítima de ataque de um tigre fêmea que, desde dezembro, devorou apenas pessoas do sexo masculino no norte do país, ganhando a fama de «devoradora de homens».

Um funcionário do distrito de Bijnor, Salil Shukla citado pela AFP, disse que a vítima é um jovem camponês que se deslocou à densa floresta perto do Parque Nacional Jim Corbett, no Estado de Uttar Pradesh.

A história do felino assassino começou a 29 de dezembro, quando matou outro agricultor, Vijay Singh, de 20 anos, no distrito de Moraújo, também em Uttar Pradesh.

De acordo com fontes dos serviços florestais, sete dos ataques do animal ocorreram em Uttar Pradesh, enquanto o outro teve lugar no Estado vizinho de Uttarakhand.

A guarda-florestal indiana ativou sem sucesso um dispositivo para caçar o tigre fêmea e enviou seis homens armados para caçar o felino que «devora homens» e, apesar de terem sido colocadas várias armadilhas, a sua captura continua complicada, porque durante o dia esta se esconde nas plantações de canas-de-açúcar, que cobrem 90 por cento da região.

Para caçar suas presas, os caçadores estão a usar armadilhas ou iscas como cabras, enquanto os «Rangers» vasculham a floresta montados em elefantes, usando armas tranquilizantes.

A Índia tem cerca de 1.700 tigres, que representa 60 por cento da população mundial.

De acordo com o World Wildlife Fund, os tigres perderam 93% do território total que costumavam ocupar, 45% só na última década, devido ao aumento da população e consequente uso de áreas de florestas em campos agrícolas, áreas urbanas e locais mineiros.