Notícia atualizada

O Ministério Público francês confirmou na quarta-feira que o ADN do homem detido pela polícia em Paris corresponde às amostras recolhidas nos locais atacados esta semana e na passada sexta-feira pelo atirador solitário.

O homem, identificado como sendo Abdelhakim Dekhar, na segunda-feira feriu a tiro com gravidade um fotojornalista na sede do jornal «Libération», atacou de seguida a sede do banco Société Générale, sem provocar vítimas, e na sexta-feira anterior tinha entrado nas instalações do canal de televisão BMF TV, onde ameaçou um jornalista.

Dekhar tem registo criminal: foi preso em 1998, pelo envolvimento num mediático homicídio ocorrido quatro anos antes.

O Ministério Público confirmou a compatibilidade do ADN do homem detido e as amostras recolhidas na sede do jornal «Libération» e no banco Société Générale, assim como no carro utilizado por Dekhar na fuga, em direção aos Campos Elíseos, a mais famosa avenida parisiense, e durante a qual fez refém o condutor e proprietário da viatura.

Fontes próximas da investigação adiantaram à agência de notícias francesa AFP que o suspeito foi encontrado num estado semiconsciente, «provavelmente provocado pela toma de medicamentos, o que pode sugerir uma tentativa de suicídio».

Dekhar foi condenado a quatro anos de prisão por comprar uma arma usada num mediático homicídio em 1994, ao estilo do famoso casal de assaltantes norte-americano «Bonnie and Clyde»: a estudante Florence Rey e o namorado Audry Maupin protagonizaram um episódio de tiroteio e perseguição policial em Paris, tendo provocado a morte de três polícias e um taxista, num caso que apaixonou a França.

O parque de estacionamento onde Dehkar foi detido encontrava-se debaixo de um bloco residencial, próximo de uma linha ferroviária, tendo a área sido vedada pela polícia, depois da detenção do suspeito, de acordo com a AFP.

A detenção aconteceu num parque de estacionamento em Bois-Colombes, nos arredores de Paris, por volta das 19:05, e o suspeito abandonou o local transportado por uma ambulância, de acordo com informações prestadas pelo autarca da localidade à AFP.

Os ataques perpetrados por Dekhar desencadearam uma enorme «caça ao homem» na capital francesa, e uma preocupação com novos ataques a sedes de órgãos de comunicação social.

O fotógrafo atingido por Dekhar no tórax e abdómen já se encontra consciente e já não precisa de recorrer à respiração assistida, informou o hospital, citado pela AFP.

Permanecem desconhecidas as motivações do atirador. As testemunhas descrevem-no como sendo um homem calmo, preciso e determinado, e os especialistas citados pela agência francesa acreditam que Dekhar terá trabalhado sozinho, mas de forma bem organizada.