Mais de 65% dos suíços recusaram hoje a imposição de um limite aos salários mais elevados, num referendo organizado sobre o assunto, oito meses depois de terem aprovado a obrigação de fixar o valor das remunerações.

Dois em cada três suíços (65,3%) disseram hoje «não» ao texto do referendo, criticado pelo Governo e pelos meios económicos que consideram que a limitação dos salários altos trava a prosperidade económica e a atratividade do país.

O texto, apresentado pelos Jovens Socialistas suíços, foi intitulado «iniciativa 1:12» e exigia que a diferença salarial dentro da mesma empresa se situasse num limite de um a 12, ou seja, que o salário mais elevado não ultrapassasse em 12 vezes o valor do salário mais baixo.

Suíça revolta-se contra ordenados milionários