A Suécia vai deslocar a cidade de Kiruna, no norte do país, para um novo local, a cerca de três quilómetros de distância.

Isto porque a mina de ferro de Kiruna, a maior e mais moderna exploração subterrânea de ferro no mundo, está cada vez mais perto dos habitantes, ameaçando habitações e outras infraestruturas.

Os trabalhos devem iniciar ainda nesta primavera, depois de anos de expectativa. A transferência, prevista em 2004, vai afetar perto de 20 mil habitantes, além de serviços.

Mais de três mil casas e edifícios, incluindo hotéis, escritórios, escolas e hospitais, serão esvaziados nos próximos 20 anos, à medida que outras construções vão sendo edificadas na nova cidade. Muito poucas serão fisicamente deslocadas, como será o caso da igreja de madeira construída em 1907 e que é uma das maiores da Suécia.

«Queremos manter o máximo possível da velha cidade, mas os custos e as dinâmicas do mercado impedem-nos de transferir tudo», explicou o arquiteto Mikael Stenqvist à BBC, nesta terça-feira.

«Quem vive em Kiruna sabe que a mina está a devorar a cidade. A questão sempre foi dizer quando aconteceria a deslocação», afirmou Viktoria Walldin, uma das antropólogas contratadas para trabalhar na «mudança».

A antropóloga lembrou ainda que os habitantes vivem na expectativa há quase 15 anos, sem poderem tomar decisões como comprar uma casa, fazer obras ou abrir um negócio.