O procurador-geral suíço garantiu que Edward Snowden, caso venha a abandonar o espaço russo para testemunhar na Suíça, não será extraditado para os Estados Unidos. Uma garantia deixada num documento divulgado esta segunda-feira.

O documento «What rules are to be followed if Edward Snowden is brought to Switzerland and then the United States makes an extradition request», sobre as regras a seguir no caso de Edward Snowden se deslocar àquele país como testemunha convidada para ser ouvida no Parlamento - a propósito do papel do NSA americano - e que a Russia Television teve acesso esta segunda-feira, confirmam que Edward Snowden, o homem que está exilado no país de Vladimir Putin após denunciar à imprensa a espionagem feita ao mais alto nível político pelo NSA - um serviço de espionagem americano e que era do conhecimento da administração Obama -, não irá ser extraditado para os Estados Unidos onde é acusado de vários crimes públicos relacionados com a divulgação de segredos de Estado.

A Suíça recusar-se-á, portanto, a cumprir o mandado de detenção internacional de Edward Snowden emitido pelos Estados Unidos, considerando que estão em causa apenas «razões políticas».