O ministério dos Negócios Estrangeiros sírio confirmou esta terça-feira o rapto de 11 pessoas, incluindo seis membros das Nações Unidas que estava numa missão de observação de destruição das armas químicas.

De acordo com esta fonte em declarações à Associated Press, os raptos tiveram lugar nos arredores de Hamas.

O comunicado oficial do regime de Assad acusa os rebeldes de «crimes terroristas» contra ONU e a sua organização para a proibição das armas químicas.

A organização que monitoriza a destruição de armas químicas mandou uma missão à Síria, após denúncias de que cloro tinha sido usado naquela região.