Edward Snowden afirma que não tem medo de acabar em Guantánamo, se isso vier a acontecer. O ex-funcionário da CIA e ex-contratado da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA falou em entrevista ao jornal inglês «The Guardian». Autor de revelações públicas sobre programas que constituem o sistema de vigilância global da NSA, acusado de espionagem e de roubo de documentos que pertencem ao Estado norte-americano, Snowden, de 31 anos, deu pouquíssimas entrevistas depois de ter obtido asilo temporário na Rússia, em junho de 2013.

«Nunca tive realmente medo»

«Nunca tive realmente medo, ao contrário do que eu pensava. Há sempre perguntas sobre a minha situação, onde é que eu posso ficar e como é que as coisas vão evoluir», disse Snowden no início da entrevista de sete horas, realizada a semana passada em Moscovo, pelo jornal britânico.

O analista de sistemas afirmou que não pretende voltar para os EUA tão cedo devido à impossibilidade de um julgamento justo, mas que, como já disse anteriormente, está em paz com as decisões que tomou: «Se eu acabar acorrentado em Guantánamo, posso viver com isso».

Questionado sobre as condições de vida na Rússia, o ex-funcionário da NSA assegurou que «está muito feliz por lhe ter sido concedido asilo». A autorização de asilo temporário na Rússia termina no fim de agosto e, a 9 de julho, Edward Snowden pediu que a autorização seja prorrogada.

Suspeito nos EUA de ser um espião russo

Durante a entrevista, Snowden também descartou acusações de que tem uma aliança com o governo russo, e até mencionou George Orwell: «Ao contrário do que todos pensam, não acho que estamos num universo 1984 [Livro de Orwell]», afirmou, tendo o cuidado de salientar que o potencial, no entanto, está sempre lá. «Se o governo (norte-americano) tivesse a mínima prova, a mínima evidência (...) de que eu estava em conexão com o governo russo, seria manchete no "New York Times"», ironizou.

No que diz respeito à violação de dados, Edward Snowden deixou uma mensagem para profissionais como advogados, jornalistas, médicos, contabilistas e todos os que estão encarregados de proteger a confidencialidade de fontes e clientes: reforçar a segurança e usar a criptografia. «O que as revelações do ano passado mostraram foi uma prova irrefutável de que as comunicações não encriptadas na Internet já não são seguras», sublinhou.

Snowden garante que fotos de cariz sexual circulam na NSA

O ex-funcionário da NSA garantiu que a segurança relativamente aos conteúdos que passam pelas mãos dos agentes durante o trabalho de vigilância é muito fraca e que não é difícil que a fotografia de alguém em poses menos convencionais, ou até mesmo nu, circule pela NSA.

Questionado sobre casos específicos de abuso de poder que ele tinha observado durante o tempo em que foi funcionário da NSA, Snowden explicou que «Há jovens de 18 a 22 anos. Foram subitamente empurrados para uma posição de responsabilidade extraordinária, onde passaram a ter acesso a todos os registos particulares».

Snowden disse que essas pessoas muitas vezes «encontram sem querer algo que é completamente sem relação com o seu trabalho» e, se consideram a pessoa em questão «atraente o suficiente», «ficam todos muito ansiosos para deixar os outros verem». «Mais cedo ou mais tarde, toda a vida dessa pessoa já foi vista por todas essas pessoas. Nunca é relatado. Ninguém sabe sobre isso, porque a auditoria desses sistemas é incrivelmente fraca», acrescentou.

Snowden também disse que acredita estar o tempo todo sob vigilância e que a vida dele não é tão diferente do que era antes das revelações sobre a NSA. Hoje, trabalha até tarde durante a noite, principalmente no desenvolvimento de ferramentas de criptografia para profissionais.

A entrevista, editada numa versão de 13 minutos, pode ser vista no site do The Guardian.