O Presidente interino da Ucrânia, Oleksandr Turchinov, pediu esta sexta-feira ao chefe de Estado russo, Vladimir Putin, para que ponha fim à «agressão ostensiva» de tropas russas, noticia a AFP.

«Dirijo-me pessoalmente ao Presidente Putin, para lhe pedir o fim imediato da sua agressão ostensiva e retirar os seus militares da Crimeia», declarou Turchinov durante uma intervenção transmitida pela televisão.

O líder interino da Ucrânia denunciou o que considerou ser as intenções de Moscovo «de provocar um conflito e de seguida anexar o território», sublinha a BBC.

«Invasão armada» de dois mil soldados russos

O apelo de Oleksandr Turchinov surge no mesmo dia em que um alto responsável de Kiev denunciou uma «invasão armada» da Crimeia por mais de dois mil soldados russos aerotransportados em Simferopol, capital da república autónoma do sul da Ucrânia.

«Estamos hoje [sexta-feira] a assistir a uma invasão armada russa (...). O espaço aéreo [da Crimeia] está encerrado devido ao grande número de aterragens de aviões e helicópteros russos», declarou o representante do Presidente ucraniano na Crimeia, Serguii Kunitsyn, à estação televisiva ART.

O responsável estimou que cerca de dois mil militares russos tinham já sido aerotransportados para um aeroporto militar próximo de Simferopol.

De acordo com a AFP, a Ucrânia denunciou também esta sexta-feira a violação do espaço aéreo pela Rússia. O Ministério ucraniano dos Negócios Estrangeiros referiu, em comunicado, que pelo menos 10 helicópteros atravessaram as fronteiras em direção à conturbada península da Crimeia e exigiu o regresso imediato dos aparelhos às bases.

«Numa nota transmitida à Rússia o Ministério dos Negócios Estrangeiros ucraniano protestou contra a violação do espaço aéreo ucraniano (...) e pediu o regresso imediato dos militares e dos seus veículos às respetivas bases», refere o comunicado, que denuncia o desrespeito pelo acordo concluído em 1997 entre Kiev e Moscovo. O acordo define as regras da frota russa do Mar Negro que está fundeada no porto de Sebastopol na Crimeia, a península pró-russa do sul da Ucrânia.

Guardas fronteiriços ucranianos indicaram previamente que pelo menos 10 helicópteros atravessaram a fronteira em direção à Crimeia, quando apenas três estavam autorizados por Kiev a efetuar o percurso, após um pedido oficial da Rússia.

Putin quebra silêncio e apela ao fim da violência

O presidente russo quebrou esta sexta-feira o silêncio sobre a situação no país vizinho, para apelar ao fim da violência na Ucrânia.

Vladimir Putin conversou ao telefone com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, indicaram fontes do Kremlin, citadas pela AFP.

Esta sexta-feira, homens armados, alegadamente de milícias pró-russas, ocuparam os dois principais aeroportos da Crimeia, no sul da Ucrânia.

Entretanto, Kiev anunciou ter retomado o controlo dos aeroportos.

Ianukovich reaparece e promete «lutar» pelo seu país