O Rei de Espanha, Juan Carlos, vai abdicar do trono, anunciou o primeiro-ministro, Mariano Rajoy, numa comunicação ao país. Pouco depois foi o próprio Juan Carlos a falar aos espanhóis e a revelar que abdicava do torno para «abrir caminho à nova geração».

Perfil: Juan Carlos I, o rei da transição

O primeiro-ministro convocou a imprensa e desde logo os principais órgãos de informação adiantaram que em causa deveria estar a sucessão do Rei. Às 10:30, Mariano Rajoy falou ao país e expressou sua esperança de que o Parlamento aprove rapidamente a sucessão do herdeiro, Don Felipe de Borbón, que será Filipe VI de Espanha.

O tweet da abdicação

«Sua majestade, o rei, acaba de comunicar-me a sua vontade de renunciar ao trono e abrir o processo sucessório. Os motivos que levaram o rei a tomar esta decisão é algo que sua majestade quer comunicar pessoalmente a todos os espanhóis ainda hoje de manhã», acrescentou Rajoy.

O chefe do Governo espanhol disse que encontrou o rei «convencido de que este é o melhor momento para produzir esta mudança (...) e ceder a coroa ao príncipe das Astúrias». Mariano Rajoy explicou ter sido contactado pelo monarca espanhol, que o informou que quer abdicar para o seu filho, Felipe de Borbón, que reinará como Felipe VI.

Juan Carlos abdica: e agora, o que vai acontecer?

«Este processo vai desenvolver-se com plena normalidade, num contexto de estabilidade institucional e como mais uma expressão da maturidade da nossa democracia», afirmou Rajoy.

O chefe de Governo anunciou a realização, terça-feira, de um Conselho de Ministros extraordinário para cumprir os trâmites da Constituição, esperando que em breve as Cortes possam proceder à proclamação de Felipe de Borbon como Rei de Espanha.

«Estou convencido de que os espanhóis saberão escrever esta nova fase da nossa história com maturidade e agradecimento à figura de sua majestade, o Rei», afirmou.

Juan Carlos I, o rei da transição

Rajoy disse querer «render homenagem a quem durante estes anos encarnou o ponto de encontro de todos os espanhóis e o melhor símbolo da convivência em paz e em liberdade», tendo sido «o principal impulsionador da democracia, tão rapidamente quanto chegou ao trono que agora abandona».

Felipe de Borbon e Grécia, o futuro Rei de Espanha

«Foi o melhor porta-voz e a melhor imagem do reino de Espanha por todos os cantos do mundo e um defensor incansável em defesa dos nossos interesses. Renuncia ao trono uma figura histórica, tão estreitamente vinculada à democracia espanhola que não se pode entender uma sem a outra», declarou. Para Rajoy, todos os espanhóis ficam com uma «grande dívida de gratidão» ao monarca.

O Rei Juan Carlos tem 76 anos e foi condecorado Rei em 1969. O seu reinado viveu nos últimos anos algumas polémicas com grande parte dos espanhóis a defenderem a abdicação.

Um dos escândalos está relacionado com a investigação judicial por corrupção ao seu genro, Inaki Urdangarin, e à filha, a princesa Cristina.

O Rei sofreu nos últimos tempos várias operações à anca e a sua saúde tem vindo a ficar mais frágil, no entanto, fonte da Casa Real garantiu à agência Reuters que Juan Carlos abdica por motivos políticos e não de saúde.