A passagem de Dilma Rousseff por Lisboa continua mergulhada em polémica. Para além da contestação aos alegados luxos da presidente em Portugal, também o aspeto de Dilma tem sido alvo de comentários pouco agradáveis nas redes sociais. Até a cadeia de hotéis detentora do restaurante Eleven comentou as olheiras da presidente brasileira visíveis numa fotografia publicada no Instagram. Na breve escala que fez em Portugal, Dilma aparece com um ar abatido numa foto com o chef do restaurante Eleven, onde jantou no sábado.

A foto, publicada na conta da rede de hóteis Thema, a que pertence o Eleven, foi entretanto retirada, mas não sem antes ter sido reproduzida na imprensa, assim como os comentários que gerou.

O «Brasil Post» refere que algumas pessoas declararam que Dilma Rousseff parecia doente. O chef que está ao lado da Presidente, Joachim Koerper, comentou: «Talvez poucas tenham coragem de tirar uma foto sem maquilhagem!». Outro utilizador disse: «Muito feia». E, pasme-se, recebeu a seguinte resposta da própria cadeia de hotéis: «Nem todos podemos ser bonitos».

Dilma diz que pagou jantar do próprio bolso

A escala de Dilma Rousseff em Lisboa também provocou reações da oposição, que quer saber se o dinheiro público foi usado para pagar as despesas da Presidente com hotel e restaurante de luxo. Dilma Rousseff veio da Suíça, onde participou no Fórum Económico Mundial em Davos, e seguiu para Cuba.

E foi em Cuba, onde participa esta quarta-feira na abertura da 2ª Cimeira da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac), que Dilma Rousseff se pronunciou sobre o caso, para dizer que cada elemento da comitiva presidencial pagou o próprio jantar, em Lisboa.

De acordo com «O Globo», a Presidente brasileira explicou que era preciso fazer uma escala por causa do mau tempo nos EUA e a cidade escolhida foi a capital portuguesa. Sobre o jantar no restaurante Eleven, um dos mais caros de Lisboa, Dilma Rousseff reforçou que pagou do próprio bolso e que, por isso, pôde ir onde quis. A chefe de Estado sublinhou aos jornalistas que «dá o exemplo» e não paga jantares com cartões de crédito financiados pelo Governo.

«Eu posso escolher o restaurante onde vou, desde que eu pague a minha conta. Eu pago a minha conta. Pode ter a certeza disso. Pode ver em todos os restaurantes em que eu estive, em alguns causando até constrangimento. Porque fica esquisito uma Presidente e uma porção de ministros fazendo aquela conta (...). Eu acho isso extremamente democrático e republicano. Não há a menor condição de alguma vez eu usar um cartão corporativo. Não fiz isso. No meu caso, está previsto para mim cartão corporativo, mas eu não faço isso porque eu considero que é de todo oportuno que eu dê o exemplo, diferenciando o que é consumo privado do que é consumo público», afirmou Dilma Rousseff.