As forças pró-russas da Crimeia que esta quarta-feira tomaram a base naval ucraniana em Sevastopol juntamente com representantes das forças russas anunciaram ter «levado» o comandante da Marinha da Ucrânia, o contra-almirante Sergi Gaiduk.

«Ele estava bloqueado e não tinha para onde ir. Foi obrigado a sair e levado», disse Igor Ieskin, um representante das forças russas no local, citado pela agência France Presse.

Cerca de 200 membros de milícias pró-russas da Crimeia ocuparam a base esta manhã e hastearam a bandeira da Rússia. A ação não envolveu violência.

Três bandeiras russas foram hasteadas numa das entradas da base naval ucraniana no porto de Sevastopol.

De acordo com a Reuters, três homens armados, ligados a forças pró-russas, mas cujos uniformes não têm identificação, guardam a entrada, sugerindo, por isso, que a base estará sob ocupação.

Na zona encontram-se ainda vários elementos não armadas das chamadas brigadas de «auto-defesa» que defendem a anexação da Crimeia à Rússia.

Cerca de uma dezena de funcionários ucranianos da base foram vistos a deixarem as instalações.

De acordo com a Interfax, o primeiro-ministro da Crimeia anunciou que os ministros ucranianos não têm autorização para entrar naquela região autónoma.

Entretanto, a Reuters noticia o início de exercícios militares da Força Aérea russa na região ocidental, particularmente no noroeste, mas não junto à fronteira com a Ucrânia.