Dois barcos que oferecem festas eróticas e sadomasoquistas estão a agitar as águas do lago Constança, no sul da Alemanha.

Enquanto as gentes locais qualificam de «obscenas» as festividades, o presidente da Câmara de Constança, Uli Burchardt, já avisou que vai tentar impedir a realização dos «eventos sexuais» no lago.

Uma das embarcações, o «Torture Ship» (Barco da Tortura, na tradução), tem largada prevista para junho, levando a bordo 600 ocupantes que poderão participar em jogos como «atar uma pessoa a uma cruz e bater-lhe rabo», contou Thomas Sigmund, organizador do evento.

«Não se pode dizer que não vai haver sexo. Mas que alguém me mostre um baile de carnaval onde isso não acontece», desafiou Sigmund.

O outro barco tem partida prevista para agosto e oferece «uma noite cheia de erotismo», mediante um restrito «dress code»: couro, lingerie e sapatos de salto alto no caso delas; latex, correntes e uniformes para eles.

O organizador deste segundo evento, Thomas Weiss, diz que «nem todos os participantes vão à procura de sexo» - «temos três pistas de dança, quatro DJ, bar, restaurante...» -, mas aqueles que querem algo mais terão à disposição «várias zonas de repouso, que definitivamente não estão pensadas para dormir».

Os responsáveis pelos dois eventos não compreendem a polémica em redor dos chamados «barcos do sexo», uma vez que «há 17 anos que estão em atividade». «Andam todos a comportarem-se como se nunca tivessem ouvido falar de nós», criticou Sigmund.

Já o autarca de Constança garante que «não se trata de puritanismo ou intolerância sexual», e sim do modelo de negócio de uma das maiores companhias turísticas da região.

O lago de Constança fica situado na fronteira da Alemanha com a Áustria e a Suiça e é o terceiro maior da Europa central.