O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou este domingo «partir as mãos» aos seus adversários políticos caso utilizem o escândalo de corrupção em curso para minar o seu poder.

«Vamos colocar cada um no seu lugar», disse o dirigente islamita-conservador perante uma vibrante multidão de apoiantes do seu Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP) na província de Giresun, nas margens do Mar Negro.

«Vamos partir as mãos a quem ousar fazer-nos mal, semear distúrbios ou preparar-nos armadilhas neste país», asseverou.

No sábado, os dois filhos dos ministros do Interior e da Economia da Turquia foram acusados e colocados em prisão preventiva por juízes de Istambul, no âmbito de um escândalo de corrupção.

Suleyman Aslan, diretor-geral de um grande banco público, o Halkbank, está também entre as personalidades que foram acusadas de corrupção ativa, fraude, tráfico de ouro e desfalque.

Esta é a primeira vez que um escândalo desta dimensão atinge os mais próximos do primeiro-ministro turco, que governa a Turquia desde 2002 à frente de um Governo islâmico-conservador.

Os juízes responsáveis pelo caso decidiram também acusar e deter o empresário iraniano-azeri Reza Zerrab por suspeita de estar no centro do tráfico ilegal de ouro para o Irão, alvo de sanções económicas internacionais.

Por seu lado, o filho do ministro do Ambiente, também ouvido pela polícia, no âmbito da operação que envolveu cerca de 80 pessoas, foi libertado na madrugada de sábado depois de ter sido interrogado durante várias horas pelos procuradores e pelos juízes.

Até ao momento já foram indicadas 24 pessoas, e em resposta Erdogan, seriamente abalado por este tempestade político-financeira que ocorre a apenas quatro meses das eleições municipais, desencadeou uma purga dos chefes da polícia, acusados de não terem informado a sua tutela política do inquérito que a visava.

A imprensa turca noticiou hoje que 25 altos responsáveis da polícia foram afastados, após uma primeira vaga de perto de 50 despedimentos.