O presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o republicano John Boehner, e a líder da minoria democrata na Câmara, Nancy Pelosi, convidaram, esta quinta-feira, o Papa Francisco a proferir um discurso no Congresso norte-americano.

Em comunicados separados, ambos convidam o primeiro pontífice do continente americano a dirigir umas palavras aos deputados se visitar os Estados Unidos, um discurso que, a concretizar-se, figurará como o primeiro proferido por um papa no Congresso.

O cardeal-arcebispo de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio, foi eleito papa há um ano pelos 115 cardeais reunidos em Roma, assumindo o nome de Francisco.

«Com reverência e admiração, convidei o papa Francisco, como chefe de Estado da Santa Sé e primeiro papa natural da América, a dirigir um discurso numa sessão conjunta do Congresso dos Estados Unidos», afirmou Boehner, num altura em que se assinala o primeiro aniversário da eleição de Francisco como Papa, como conta a Lusa.

Nancy Pelosi, que Boehner não mencionou no seu comunicado, juntou-se a este convite numa declaração separada.

Se o papa aceitar o convite tornar-se-á no primeiro pontífice a falar no Congresso dos Estados Unidos, onde se calcula que existam mais de 77 milhões de católicos, cerca de um quarto da população.

O discurso papal poderá proporcionar-se nomeadamente no próximo ano, quando se celebrar, em Filadélfia, o Encontro Mundial das Famílias.

A mais recente visita de um papa aos Estados Unidos teve lugar em abril de 2008, quando Bento XVI - hoje papa emérito - se deslocou às cidades de Washington e a Nova Iorque e foi recebido pelo então Presidente norte-americano, George Bush.

A reunião entre o papa alemão e Bush foi a 25.ª entre um pontífice e um Presidente norte-americano e ocorreu quase nove décadas depois da primeira, em 1919, protagonizada por Bento XV e Woodrow Wilson.

O próximo encontro, o 26.º, deverá ter lugar a 27 de março, altura em que o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, visita o Vaticano.