Tintin, o famoso repórter belga que protagonizou centenas de páginas de aventuras de banda desenhada, cumpre esta sexta-feira 85 anos, desde que se apresentou a 10 de janeiro de 1929 no suplemento juvenil Le Petit Vingtième.

Acompanhado pelo fox terrier Milu, Tintin é considerado uma das mais populares personagens de banda desenhada, criada pelo belga George Remi (Hergé).

Na estreia, Tintin é apresentado como um jovem jornalista do Petit Vingtième, enviado à antiga União Soviética, onde se envolve em várias cenas de pancadaria.

A partir daí, Hergé colocou Tintin em aventuras no Oriente, no oeste americano, no mar, em terra e no espaço - numa ida à Lua - em mais de 20 álbuns como «A estrela misteriosa», «Tintin no Tibete», «Tintin no Congo» e «As sete bolas de cristal», traduzidos em 77 línguas e que venderam mais de 230 milhões de exemplares em todo o mundo.

O álbum «Os charutos do Faraó», publicado em 1934 pela Casterman, cumpre agora 80 anos e a editora irá assinalar a efeméride com uma série de novidades, entre as quais o livro «Secrets des Cigares du pharaon», que revela a evolução do desenho de Hergé.

Hergé morreu em 1983, aos 76 anos, deixando incompleto «Tintin e Alpha-Art».

No ano passado, a Casterman e a empresa Moulinsart anunciaram que vão publicar, até 2052, um novo livro protagonizado por Tintin, para evitar que os direitos da obra de Hergé caiam no domínio público.

As 24 aventuras de banda desenhada de Tintin, o repórter belga mais famoso do mundo, estão editadas em Portugal pela ASA.

Os realizadores Steven Spielberg e Peter Jackson mergulharam na obra de Hergé e estrearam em 2011 o filme «As aventuras de Tintin: O segredo do Licorne», estando a preparar uma segunda produção.