A operação da ONU de retirada de civis e de entrada de ajuda humanitária na cidade síria de Homs recomeçou esta quarta-feira, depois de ter sido suspensa na terça-feira, noticia a BBC. Um novo grupo de civis está a preparar-se para deixar os antigos bairros da cidade, controlados pelos rebeldes. Aqueles que decidirem ficar, receberão ajuda alimentar e suprimentos médicos.

O novo envio de ajuda humanitária «para aqueles que desejam permanecer no centro velho de Homs» também é confirmado pela agência oficial síria Sana.

Um porta-voz do Crescente Vermelho sírio, citado pela agência EFE, voltou a denunciar ataques às equipas de ajuda humanitária. O mesmo porta-voz afirma que bombas caíram, esta quarta-feira, a menos de dois metros de uma ambulância que prestava socorro urgente a feridos na província de Rif Damasco.

A Unicef revelou na terça-feira que um total de 1.151 civis, dos quais 500 eram crianças, saíram entre sexta-feira e segunda-feira da parte antiga de Homs, cercada pelo exército sírio desde junho de 2012.

O governo sírio e os rebeldes concordaram em prorrogar por três dias, ou seja até esta quarta-feira, a trégua humanitária, que inicialmente estava prevista para durar de sexta-feira a domingo. O objetivo é permitir a retirada de mulheres, menores e idosos.

A ONU denunciou que as forças governamentais sírias detiveram nos últimos dias, para interrogatório, 338 homens que saíram da parte antiga de Homs durante a operação de retirada de civis. Desses 338 homens, 41 foram libertados na terça-feira.