O líder do Partido Democrata italiano, Matteo Renzi, aceitou, esta sexta-feira, formar Governo e apresentou ao Presidente a sua lista de ministros, composta por 16 nomes das forças da coligação.

O anúncio foi feito em conferência de imprensa na residência oficial do chefe de Estado, após uma reunião de três horas, no final da qual Matteo Renzi afirmou ter criado «pela primeira vez na história de Itália» um Governo formado de forma paritária: oito homens e oito mulheres.

O líder do Partido Democrata, que toma posse no sábado, afirmou que o seu objetivo é dar ao país um «executivo de esperança».

Renzi, que aos 39 anos é o mais jovem a ser nomeado primeiro-ministro de Itália, agradeceu o trabalho desenvolvido por Enrico Letta à frente do Governo durante os últimos dez meses e assegurou que dará «respostas concretas» aos problemas do país.

Enrico Letta anunciou a sua demissão no dia 14 de fevereiro para dar lugar ao rival do mesmo partido Matteo Renzi, eleito líder do Partido Democrata em dezembro

O Governo de Renzi está sustentado por nove partidos, entre os quais o Novo Centro Direita, de Angelino Alfano, e Eleição Cívica, fundado pelo antigo primeiro-ministro Mario Monti.

Angelino Alfano é um dos nomes que integra o Governo liderado por Renzi, surgindo como ministro do Interior.