Pelo menos nove civis ficaram feridos, esta noite, na sequência de bombardeamentos da aviação israelita contra posições de militantes de movimentos islamitas em Gaza, informaram fontes médicas.

Segundo Asraf al Qedra, porta-voz do Serviço de Emergências na Faixa de Gaza, os nove civis, que se encontravam numa casa no leste da cidade meridional de Jan Yunis, receberam assistência num hospital da zona.

Testemunhas e fontes de segurança informaram, por seu lado, que a aviação israelita também atingiu casas das famílias Al Hashash e Abdelala, respetivamente, em Rafah e em Jan Yunis, das quais alguns membros serão alegadamente do Hamas.

As forças militares israelitas começaram aquilo que pode ser uma longa ofensiva contra a Faixa de Gaza e já mobilizaram tropas terrestres para uma eventual invasão.

Denominada «Operação Vantagem Protetora», os ataques de Israel são justificados com a intenção de acabar com o lançamento de rockets para o território israelita.

Depois de anos de aparente paz, a tensão entre Israel e o Hamas tem-se intensificado nas últimas semanas. O conflito começou quando três adolescentes israelitas foram mortos na Cisjordânia e, como vingança, um adolescente palestiniano foi queimado em Jerusalém Ocidental.

Nas últimas semanas foram disparados contra Israel cerca de 300 rockets e morteiros. Só esta segunda-feira foram disparados cem projéteis.

«Nós avisamos o Hamas várias vezes de que isto tinha de parar. As forças de segurança de Israel estão neste momento a agir de forma a acabar com isto definitivamente», declarou o porta-voz do Primeiro-Ministro de Israel.

Depois dos ataques deste terça-feira, o movimento palestiniano divulgou um comunicado, ameaçando lançar rockets para zonas ainda mais distantes do que tem acontecido. Sabe-se que o Hamas tem rockets com capacidade para atingirem o coração de Israel e a sua capital financeira, Telavive.