As autoridades querem cercar o grupo radical Boko Haram e mantém a esperança de recuperar as raparigas, numa declaração dirigida aos pais das estudantes e um recado para os radiciais.

«As boas notícias que temos para os pais das raparigas é que já sabemos onde estão As raparigas», sem adiantarem mais nada acerca da localização.

Um chefe militar de topo nigeriano anunciou que as autoridades já sabem onde é que o grupo radical Boko Haram tem as estudantes, raptadas em meados de abril, escondidas, explicando que «não pode revelar segredos militares e que os deixem trabalhar».

Num comunicado emitido na segunda, divulgadas pela agência de notícias nigeriana e que a CNN cita: «Nós queremos as nossas raparigas de volta. Adianto-vos que os nossos militares podem e vão fazê-lo. É preciso ir lá à força?», disse o chefe-maior da Força Aérea.

E acrescentou em defesa das tropas nigerianas: «Ninguém pode dizer que as forças nigerianas não sabem o que estão a fazer».

As autoridades americanas, que estão a apoiar a Nigéria, escusaram-se a confirmar a notícia.

Há mais de um mês que as estudantes foram levadas à força da escola pelo grupo Boko Haram, que considera a educação ocidental «um pecado». O caso chocou a comunidade internacional, que se uniu para ajudar na recuperação das raparigas, até agora sem sucesso.

O líder dos Boko Haram começou por dizer que elas iam ser vendidas, mas veio depois propor a sua troca por prisioneiros do grupo. A proposta não foi aceite pelas autoridades.

Houve entretanto mais um rapto de raparigas numa aldeia e vários ataques com dezenas de mortos, atribuídos aos extremistas islâmicos.

Para as famílias e perante o segredo das autoridades, resta a esperança: queremos as nossas raparigas de volta.