O homem mais rico da china,, afirmou esta quarta-feira à imprensa que existem várias possibilidades para se enriquecer, desvalorizando as diferenças sociais conhecidas no país.

«Não precisamos de resolver o problema das diferenças entre ricos e os pobres, precisamos de resolver o problema da prosperidade comum», afirmou Zong Qinghou, cuja fortuna da família é estimada em cerca de 9.5 mil milhões de euros.

«Se fossem todos ricos, a sociedade seria harmoniosa e mais confortável», frisou o antigo empresário de 67 anos durante um evento que assinalou o lançamento de um conjunto de centro comerciais. «Os ricos devem ajudar o resto da população a tornarem-se prósperos».

No entanto, Zong advertiu: «Se instaurássemos o igualitarismo... não ia existir o suficiente para comer». Quanto à estimulação do investimento, o homem mais rico da China pede redução de impostos, frisando ainda que «é melhor incentivar as pessoas a criar a riqueza».

O multimilionário entrou no mundo dos negócios há cerca de 40 anos, mas as vendas dos refrigerantes nem sempre foram um sucesso. No inicio do seu negócio, Zong chegou a dormir debaixo de uma ponte em Pequim, sem ter possibilidades de ter uma habitação própria.

Com o lançamento da sua empresa, Wahaha, alcançou o lugar da terceira maior empresa de refrigerantes da China, de acordo com a empresa de estudos de mercado Euromonitor International, citada pelo South China Morning Post.