O alto comando militar venezuelano emitiu esta terça-feira um comunicado a condenar a violência de «um setor da sociedade», sublinhando que as Forças Armadas da Venezuela (FAV) «jamais aceitarão» um Governo que surja por uma via diferente à constitucional.

«Manifestamos ao país, à pátria de [Simón] Bolívar e [Hugo] Chávez, o nosso total apelo à Constituição e leis da República Bolivariana da Venezuela que de nenhuma maneira contemplam a conquista do poder político por outra via que não seja a expressão do soberano, pelo caminho eleitoral», afirma o comunicado.

O documento foi lido pela ministra venezuelana da Defesa, Carmen Meléndez, durante uma reunião com os restantes membros do alto comando militar.

«Condenamos firmemente as ações violadoras da lei, de parte de um setor da sociedade venezuelana, apoiadas de forma já comprovada desde o estrangeiro e, ainda que alguns dos seus líderes se refiram a protestos pacíficos, é notória a violência com que atuou este grupo de pessoas, totalmente à margem da ordem (lei) e da dor alheia, chegando inclusive a causar mortos e feridas, assim como destruição dos bens da nação e da propriedade privada», disse.

«Todas estas ações geraram um clima de violência indesejado, pelo que nos vimos obrigados a empregar parte da nossa força, da força legítima do Estado», frisa o comunicado dos militares venezuelanos.

Segundo a ministra, o Governo venezuelano, o povo e os militares trabalham «unidos, mais que nunca, não permitirão um cenário similar ao de 11 de abril de 2002», quando o então Presidente Hugo Chávez Frias foi afastado temporariamente do poder.

«Jamais. Oiçam bem! Jamais aceitaremos um governo que não surja pela via constitucional», avisou a ministra.