Milhares de pessoas estão concentradas no centro de Madrid para uma manifestação contra o anteprojecto de reforma da lei do aborto, aprovado pelo Governo de Mariano Rajoy em Dezembro e atualmente em fase de consulta no parlamento espanhol.

De acordo com o jornal «El País», a mobilização arrancou com a chegada à estação ferroviária de Atocha de um «comboio da liberdade», que viajou das Astúrias para a capital do país com ativistas e manifestantes que pretendem entregar um manifesto contra a iniciativa governamental.

A proposta, que foi desenhada pelo ministro da Justiça Alberto-Luiz Gallardón, restringe significativamente as condições para o exercício da interrupção voluntária da gravidez, que atualmente é autorizada até às 14 semanas de gestação. Com a reforma, o aborto ficará limitado aos casos em que a gravidez resulte de uma violação, ou quando ponha em risco a saúde física e psíquica da mãe, uma situação que tem de ser cientificamente comprovada através de dois atestados médicos.

Com cartazes de «Aborto livre, a mulher decide», milhares de participantes iniciaram uma marcha pela capital, com uma paragem pelo ministério da Saúde: várias organizações de defesa dos direitos das mulheres, sindicatos e partidos políticos da oposição associaram-se ao protesto, coordenado pela plataforma «Decidir Nos Hace Libres», exigindo a retirada do anteprojecto legislativo e a demissão do ministro da Justiça.