O grupo de investigadores responsáveis por analisar as caixas-negras recuperadas do voo MH17, abatido na Ucrânia na última quinta-feira, garantiram que as gravações não terão sido manipuladas pelos separatistas russos.

«O gravador de voz do cockpit estava danificado, mas a parte onde estão guardados os dados está intacta, nem existe qualquer sinal de que tenha sido manipulada», garantiu fonte do Conselho de Segurança holandês, à Reuters.

O conselho vai agora começar a analisar os dados extraídos da caixa-negra, um processo que levará mais tempo a concluir. As análises à segunda caixa, que contém as gravações do voo, começam na quinta-feira.

Além das caixas-negras também chegaram à Holanda os primeiros corpos das vítimas do MH17.

O Boeing 777 da Malaysia Airlines foi, alegadamente, abatido por rebeldes separatistas no leste da Ucrânia quando fazia a ligação entre Amesterdão e Kuala Lumpur com 298 pessoas a bordo. A maioria das vítimas (193) eram holandesas.