Um homem de 93 anos, familiar de quatro vítimas do voo MH17, morreu, na passada terça-feira, inconsolado por ter perdido a filha, o genro e dois netos no desastre.

Hendrik Palm, que vivia em Roden, na Holanda, país da maioria das vítimas, terá falecido devido à «tristeza indescritível de perder a filha, Erla, o genro, Rob, e os netos Merel e Mark», segundo o obituário publicado pela família no jornal regional «De Stentor».

Segundo a AFP, o idoso terá morrido apenas cinco dias após a queda do avião, que matou 298 pessoas, a maioria holandeses.

Erla era a única filha de Hendrick e a sua companhia principal. Já os netos eram dois jovens, Merel com 17 anos e Mark com 12.

A família estava a caminho da Malásia para passar férias.

O voo MH17, da Malaysia Airlines, saiu de Amesterdão com destino a Kuala Lumpur e foi abatido na Ucrânia, na região de Donetsk, perto da fronteira com a Rússia, uma zona que vive há meses uma disputa entre pró-russos e pró-ocidentais, que começou com a proposta governamental de aproximação à Europa.

Leia também: MH17: queda de avião poderá ser um «crime de guerra»