Os mausoléus de Tombuctu danificados durante a ocupação por radicais islâmicos do norte e centro do Mali em 2012 começaram esta sexta-feira a ser reconstruídos, informou a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Num comunicado divulgado online, a UNESCO indica que a reconstrução dos mausoléus, que deverá durar um mês, será feita por operários locais sob a supervisão do imã da mesquita de Djingareyber.

«A reabilitação do património cultural de Tombuctu é crucial para o povo do Mali, para os residentes da cidade e para o mundo», declarou a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, citada no comunicado.

Os mausoléus da cidade, 16 dos quais fazem parte do Património Mundial, testemunham «a idade de ouro de Tombuctu como um centro económico, intelectual e espiritual nos séculos XV e XVI», sendo igualmente «exemplos excecionais de arquitetura de terra», assinala a agência da ONU.

«O nome de Tombuctu desperta a imaginação de milhões de pessoas em todo o planeta», considerou Irina Bokova, acrescentando: «É um dia feliz para nós na UNESCO.»

O projeto de reconstrução foi financiado pelo Mali e pela UNESCO.