Megan Hunstman, de 39 anos, foi presente a tribunal na segunda-feira e, segundo o relatório a que a CCN teve acesso, a mulher confessou ter morto seis dos sete bebés encontrados na garagem da casa onde tinha vivido com o ex-marido.

A mulher «admitiu que, entre 1996 e 2006, deu à luz sete bebés naquela casa e que todos, à exceção de um, nasceram vivos. Logo após o nascimento, sufocou-os ou estrangulou-os».

Hunstman também confirmou que guardou os cadáveres dentro de caixas na garagem da casa.

Isso comprovou a polícia quando foi chamada no sábado, pelo ex-marido de Megan, após descobrir o cadáver de um bebé enrolado numa toalha e dentro de um saco e guardado numa caixa de papelão .

A descoberta macabra do homem que só estava a fazer limpeza à garagem, não se ficou por aqui: outras seis caixas com os cadáveres de outros seis bebés estavam arrumados e esquecidos naquela zona da casa onde Megan viveu até há três anos e onde as filhas, com idades entre os 20 e os 13 continuam a habitar.