O parlamento da Macedónia aprovou esta quarta-feira uma lei que introduz a castração química de pedófilos reincidentes e agrava as penas de detenção para prisão perpétua.

O ministro para a Política Social, Dime Spasov, disse que a castração química, através da administração de drogas que reduzem a libido e a atividade sexual, será «efetuada semestralmente em locais especializados».

De acordo com o projeto, os agressores sexuais que pratiquem o crime pela primeira vez serão condenados entre 15 e 40 anos de prisão e poderão optar pela castração química em troca de uma redução da pena.

A Rússia, Dinamarca e Polónia são alguns dos países que já introduziram a castração química.

Em 2012, a Antiga República Jugoslava da Macedónia (Fyrom, o nome oficial) tornou-se no primeiro país a elaborar um registo na Internet de pedófilos condenados, com fotos, nomes e moradas dos que cumpriram penas de prisão.

Desde 2004, mais de 230 pessoas já foram condenadas na Macedónia por abuso sexual de menores.