Um empregado de uma bomba de gasolina no Reino Unido atraiu à própria casa a filha adolescente de um detetive da polícia e tirou fotografias de si próprio a estrangulá-la até à morte. Os factos foram revelados esta terça-feira depois de o suspeito ter admitido, em tribunal, o homicídio da jovem. Georgia Williams, de 17 anos, foi sufocada até à morte depois de ter rejeitado os avanços de Jamie Reynolds, de 23, e deixado claro que não queria namorar com ele.

De acordo com o «The Telegraph», na primeira sessão do julgamento do Tribunal de Stafford, ficou a saber-se que o acusado tirou uma sequência de fotografias «antes, durante e após» o homicídio. Depois disso, o arguido levou o corpo para o Norte do País de Gales, abandonou-o na floresta e pôs-se em fuga.

Ao reconstituir os últimos passos de Georgia Williams, a polícia não só encontrou em casa do suspeito as fotografias do homicídio, como também fotos pornográficas em que Jamie Reynolds colou os rostos de outras amigas. No quarto do suspeito, as autoridades encontraram ainda um bloco-notas com fantasias sexuais que o suspeito tinha escrito sobre a vítima.

Jamie Reynolds, que inicialmente tinha negado as acusações, mudou a versão no primeiro dia do julgamento. O tribunal ouviu como Reynolds atraiu Georgia Williams a casa dele em Wellington, Telford, Shropshire, no dia 26 de maio, oferecendo-se para lhe tirar fotografias para um portfolio de moda. Mas quando a jovem lá chegou, estrangulou-a até à morte.

Na primeira sessão do julgamento ficou também a saber-se que Jamie Reynolds é viciado em pornografia extrema e fazia fotomontagens de corpos de mulheres nuas com imagens de amigas no Facebook.

Quando Georgia Williams foi dada como desaparecida, a polícia abriu uma caça ao homem em todo o país. Jamie Reynolds acabou por ser preso a 28 de maio, em Glasgow, três dias depois do desaparecimento da jovem e antes do corpo ter sido encontrado.

Jamie Reynolds arrisca agora pena de prisão perpétua. A sentença judicial vai ser lida a 19 de dezembro.