O primeiro-ministro israelita afirmou esta quinta-feira que o exército vai continuar, «com ou sem cessar-fogo», a destruir os túneis que o movimento de resistência islâmica Hamas usa para lançar, a partir de Gaza, os ataques contra Israel.

«Estamos determinados a concluir esta missão com ou sem cessar-fogo. Nunca aceitaremos qualquer proposta que não permita ao exército israelita terminar este trabalho», declarou à imprensa Benjamin Netanyahu, antes do início do conselho de ministros em Telavive.

Durante a reunião, Netanyahu afirmou que embora não exista «uma solução que ofereça total garantia», as forças israelitas estão agora «a neutralizar uma capacidade que teria permitido aos terroristas matar e sequestrar civis israelitas».

De acordo com a imprensa israelita, Netanyahu não quer alargar a ofensiva em Gaza e defende uma retirada depois de completa a destruição de todos os corredores subterrâneos construídos pelo Hamas e encontrados até agora.

O exército israelita, que entrou na Faixa de Gaza a 17 de julho onde sabia existirem uma dezenas de túneis, descobriu até agora mais 20, além de 60 passagens e corredores de acesso.

A operação israelita «Margem Protetora» causou, pelo menos, 1.370 mortos palestinianos em 24 dias de conflito, disseram fontes palestinianas.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), mais de 245 crianças morreram nos ataques, lançados a 8 de julho.

Do lado israelita, o balança situa-se em 56 mortos entre as fileiras do exército e três civis.