O conselho de segurança do primeiro-ministro de Israel, Bejamin Netanyahu, rejeitou a proposta de cessar-fogo na Faixa de Gaza, mas diz estar a estudar uma mudança de planos, segundo informou fonte do Governo à Reuters.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, tem insistido com o país para que pare os ataques contra o Hamas, que já duram há 18 dias.

Os detalhes do cessar-fogo não foram revelados, mas a mesma fonte governamental garante que Israel quer ver mudanças antes de concordar com um fim das hostilidades.

O Hamas ainda não respondeu à proposta.

O número de palestinianos mortos desde o inicio da ofensiva já ultrapassa os 800. A OMS já pediu permissão para que seja criado um corredor na Faixa de Gaza que permita a retirada de feridos e a entrada de medicamentos no enclave.

ONU, EUA e Egito propõem trégua humanitária de 7 dias

A Organização das Nações Unidas (ONU), os EUA e o Egito propuseram hoje uma trégua humanitária, de sete dias, entre Israel e o Hamas, a coincidir com a próxima festividade muçulmana que assinala o fim do Ramadão.

Esta nova iniciativa foi apresentada durante uma conferência de imprensa com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e os chefes da diplomacia norte-americana, John Kerry, e egípcia, Sameh Shukri.

Já a Assembleia parlamentar da União para o Mediterrâneo (AP-UpM) apelou hoje ao cessar-fogo incondicional em Gaza e ao respeito pelo direito internacional humanitário e pela Convenção de Genebra.

Em comunicado, o organismo sublinha que a população civil «de todas as idade» está a pagar o preço da recente escalada do conflito e recorda que a vida de um israelita e de um palestiniano «é igual».