Os Estados Unidos realizaram, no sábado, uma nova série de bombardeamentos seletivos contra posições do Estado Islâmico (EI) no norte do Iraque, para proteger a minoria étnico-religiosa curda yazidi, informou o Pentágono.

O primeiro dos ataques de sábado ocorreu às 15:20 (16:20 em Lisboa) e foi levado a cabo com aviões de combate e aviões não tripulados, segundo o Comando Central dos Estados Unidos, encarregado do Médio Oriente.

Este bombardeamento tinha como objetivo acabar com dois veículos blindados que estavam a disparar contra os yazidis perto do monte Sinjar, tendo um deles sido destruído. Cerca de 20 minutos mais tarde, durante outro ataque, um avião norte-americano bombardeou e destruiu outros dois blindados e um camião armado.

O Governo do Iraque anunciou hoje ter provas de que que os jihadistas do Estado Islâmico terão morto mais de 500 yazidis. Entre as vítimas estarão mulheres e crianças, enterradas vivas.

O Reino Unido começou hoje a largar por paraquedas ajuda humanitária para as populações ameaçadas pelos jihadistas do Estado Islâmico no norte do Iraque, anunciou um porta-voz do Departamento de Desenvolvimento Internacional britânico.

A primeira largada de ajuda, que inclui alimentos, água, tendas, filtros de água e lanternas a energia solar que permitem carregar baterias de telemóvel, ocorreu durante a madrugada.

«O mundo está chocado com a situação difícil da comunidade yazidi. Eles enfrentam condições aterradoras, isolados no monte Sinjar», disse a secretária de Estado do Desenvolvimento Internacional, Justine Greening, citada num comunicado.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, apelou, no sábado, aos políticos iraquianos para formarem um Governo de base alargada para enfrentarem os jihadistas que ameaçam várias partes do país.

Ban Ki-moon «apela a todos os partidos políticos para cumprirem o calendário estabelecido pela Constituição que rege a nomeação do primeiro-ministro».

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Laurent Fabius, desloca-se hoje ao Iraque, a Bagdade e depois a Erbil, capital da região autónoma do Curdistão iraquiano, onde deverá encontrar-se com o Presidente Massud Barzani, informou o ministério.

O ministro partiu de França esta manhã com destino a Bagdade, cidade onde terá um encontro com o seu homólogo iraquiano, Hoshyar Zebari, antes de seguir para Erbil, no nordeste, de acordo com a AFP. Laurent Fabius vai supervisionar a entrega de ajuda humanitária francesa aos civis deslocados, que fugiram na sequência dos avanços no terreno pelos jihadistas.

Estas primeiras entregas de ajuda humanitária devem «atender às necessidades básicas urgentes dos deslocados», indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros em comunicado.