A guerra na Síria está «parada» por mais três dias, de modo a permitir a ajuda médica e humanitária a quem ainda vive na cidade de Homs e a saída dos civis.

O anúncio do prolongamento do cessar-fogo, feito esta segunda-feira, já foi saudado pelas Nações Unidas, que vai reunir na sexta, em Genebra, com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo e a subsecretária de Estado norte-americana, Wendy Sherman.

«Fico muito satisfeita por saber que o regime sírio e a oposição acordaram uma extensão do cessar-fogo em Homs durante mais três dias», disse Valerie Amos, como cita a Reuters.

E acrescentou: «Espero que esta extensão nos permita retirar mais civis e uma ajuda humanitária adicional».

Inicialmente, as autoridades estimavam que saíssem 200 civis da cidade fustigada pela guerra civil e onde há mais de um ano não entrava ajuda humanitária, mas, no domingo, 600 pessoas já tinham abandonado o local.

O cessar-fogo foi acordado durante três dias, numa iniciativa inédita desde o começo da guerra há quase três anos e, agora, prolongado por mais três.

A chefe da ONU para os Assuntos Humanitários lamentou, no entanto, que uma comitiva da ONU e do Crescente Vermelho tenha sido atacada durante o fim de semana.