O movimento feminista Femen anunciou que a França concedeu asilo político à sua líder, Inna Shevchenko.

As autoridades francesas não confirmaram a situação - classificando-a de «confidencial», como relatou a AFP -, mas a ativista ucraniana divulgou o documento onde é lhe concedido o estatuto de «refugiada».

Shevchenko declarou à agência russa RIA Novosti - como refere o «The Huffignton Post» - que o seu pedido de asilo foi uma «escolha estratégica». O movimento Femen mudou a sua sede para França e já abriu um campo de treinos para ativistas em Paris.

Inna Shevchenko deixou a Ucrânia depois de ter cortado com uma serra elétrica uma cruz num santuário para manifestar apoio às Pussy Riot; tendo fugido para evitar uma eventual perseguição da justiça do seu país.