Na antevisão de mais um Diálogo Estratégico e Económico entre China e EUA (o primeiro foi em 2009), marcado para a capital chinesa, para esta quarta e quinta-feira (9 e 10 de julho), o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o secretário do Tesouro, Jack Lew, deram uma entrevista conjunta à CCTV America, versão para a América da China Central Television, com sede em Washington.

Na primeira entrevista de dois secretários de administrações americanas a um canal televisivo chinês, conduzida pelo jornalista Wang Guan e assegurado pela produtora portuguesa Joana Godinho, John Kerry reforça: «Definitivamente, os Estados Unidos não são rivais da China».

Para o chefe da diplomacia americana, os «EUA e a China têm oportunidades de parceria e cooperação. É uma relação cada vez mais importante».

Kerry especifica em que medida as relações entre EUA e China são importantes: «Queremos que a China perceba que não temos que ser rivais. Em determinados temas vamos competir, mas é muito mais importante cooperarmos, porque o mundo de hoje tem a ver com cooperação. EUA e China são mais parceiros do que rivais».

O secretário de Estado norte-americano rotula a China de «poder em ascensão, uma extraordinária economia, uma nação com enormes responsabilidades, como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. Trabalhamos juntos em muitas coisas: no Irão, na Síria, noutros temas. Por isso, queremos incrementar esta relação com a China», insistiu o chefe da diplomacia americana.

O caminho estratégico («strategic track») que tem vindo a ser trilhado entre americanos e chineses passa muito por receios comuns, como a Coreia do Norte. John Kerry explica: «Há muitos pontos em comum. Obviamente que há preocupações quanto à Coreia do Norte. Temos que trabalhar intensamente com a China, de modo a diminuir essa ameaça. Somos dois parceiros fundamentais nesse esforço, de modo a desnuclearizar a península coreana».

Aliado antigo do Japão, os EUA são «pivot» importante na rivalidade entre chineses e japoneses, agravadas com a disputa pelas Ilhas Diaoyu. Na entrevista à CCTV, Kerry é pragmático: «Espero que nunca haja uma guerra entre China e Japão. Não consigo imaginar algo mais desnecessário. Isso é algo que tem que ser resolvido.»

Jack Lew, secretário do Tesouro americano, aponta, na mesma entrevista, referindo-se ao atual momento económico: «Permaneço bastante otimista sobre o estado da economia norte-americana e a sua trajetória. Tivemos um inverno muito frio e isso levou a alguma baixa de atividade. Tivemos também alguns contratempos no final do ano e algumas coisas anómalas no início deste. Mas se olharmos os dados de março/abril/maio, vemos que se mantém um crescimento consistente, no seguimento do que víamos no final do ano passado».

Sobre a economia chinesa, Jack Lew mostrou-se moderadamente otimista: «Acho que a China tem vindo a obter um conjunto ambicioso de reformas, sob a liderança do Presidente Xi. É um conjunto de políticas que são importantes para o crescimento da economia chinesa».