O segundo homem mais rido do mundo, o magnata do audiovisual e das telecomunicações, Carlos Slim, defendeu que só devíamos trabalhar três dias por semana.

Slim explicou: «Se apenas trabalhássemos três dias, havia mais tempo para relaxar. Por seu turno, com quatro dias de descanso, criar-se-iam novas formas de entretenimento e ocupação de tempos livres», como cita o «Financial Times», gerando assim outras oportunidades de negócio e riqueza.

Carlos Slim, de 74 anos, revelou, contudo, uma contrapartida: o trabalhar até aos 70 ou 75 anos.

A ideia radical foi defendida pelo bilionário mexicano numa conferência no Paraguai, mas, na sua empresa Telmex, já instituiu uma medida a meio termo. Ou seja, os trabalhadores começam logo a trabalhar no final da adolescência e podem reformar-se aos 50 ou continuar a trabalhar apenas quatro dias por semana. Palavra de quem sabe, ou não tivesse começado cedo este filho de imigrantes libaneses a mexer em ações. Aos 12 comprou as primeiras ações. O primeira pedra de um império há muitos anos no top das maiores fortunas da «Forbes» e só destronado pelo fundador da Microsoft, Bill Gates.