Cerca de 20 cadáveres e 23 pessoas que se encontravam sequestradas foram encontrados numa casa em Ibadan, no sul da Nigéria, onde alegadamente se praticavam assassinatos rituais após cativeiro prolongado.

Segundo a imprensa nigeriana, que lhe chama a «casa dos horrores», além dos corpos encontrados, mais de 20 sobreviventes foram resgatados do local pela polícia, perto da floresta de Soka, onde alegadamente se realizavam os rituais.

A maior parte das pessoas que foram encontradas com vida dizem que foram sequestradas, passavam fome e foram torturadas.

Um dos sobreviventes, que pediu anonimato por questões de segurança, declarou que foi raptado em setembro de 2013, estando agora na companhia de outras sete vítimas internadas no hospital Adeoyo, em Ibadan, uma das cidades mais importantes do país.

«Lembro-me que saí de casa em Okebola para ir a Challenge. Apanhei um táxi e não me lembro de nada mais até ao momento em que a polícia me salvou», disse a vítima.

A polícia já efetuou a detenção de um homem alegadamente relacionado com as práticas violentas e rituais assassinos, tendo apreendido armas de fogo e munições no interior da «casa dos horrores».

«Mais de uma centena de jovens procuravam, na zona, dois ciclistas desaparecidos quando descobriram o local, uma casa em construção onde se encontravam duas mulheres e cinco homens presos por correntes», refere o relatório policial sobre a casa.

Na Nigéria, a magia negra e o vudu são práticas comuns e, de acordo com os residentes de Ibadan, tudo aponta para que o local fosse destinado à prática de assassinatos e cerimónias rituais.

«Há corpos em decomposição e mais de 50 caveiras», contou Comrade Rasheed, um dos moradores da zona.

«Encontrámos uma mulher que disse que deu à luz na casa. Salvámos muita gente com vida e encontrámos um cadáver numa fossa», afirmou o mesmo morador, que esteve no local.