Uma bebé americana não resistiu às lesões no crânio provocadas alegadamente pelo uso de fórceps durante o trabalho de parto.

Olivia nasceu a 28 de dezembro num hospital do Texas, ainda foi transferida para os cuidados intensivos do hospital de Houston, mas a máquina que a ligava à curta vida acabou por ser desligada a 2 de janeiro. Olivia foi a enterrar este fim de semana, mas os pais, de 24 e 25 anos, prometem, no entanto, não deixar morrer a memória da filha. Por isso, criaram um movimento que quer abolir o uso de fórceps durante os partos para que outras crianças não tenham o destino de Olivia, reporta a ABC.

O movimento já vai crescendo no Facebook. Em menos de uma semana, já leva quase 100 mil fãs. A causa já tem mais de metade do apoio necessário.

O pai Allen Coats, de 25, e a noiva, Rachel Melancon, de 24, querem ir além de processar o hospital e o obstetra. Querem mudar a lei, e fazer nascer a «Lei Olivia».