Quando se trata da representação e do tratamento que é dado às mulheres nos media pode dizer-se que se percorreu um longo caminho desde os anos 1950, uma era em que o feminino era feito de estereótipos, tal como retrata a série norte-americana «Mad Men». Mas, mesmo em 2013, ainda é comum ver reproduzidas nos meios de comunicação mensagens como «Eu não digo que ela merecia ser violada, mas...» ou «As mulheres não são tão boas a Matemática como os homens». Mensagens de cariz sexista continuam a ser o pão nosso de cada dia na Internet ou na televisão, conforme faz notar um artigo da revista «Time».

O The Representation Project (Projeto de Representação), uma organização sem fins lucrativos que pretende desafiar os estereótipos de género nos meios de comunicação criou um vídeo para mostrar como o sexismo ainda está profundamente enraizado nos media. O objetivo, explica a «Time», é mostrar que já se chegou longe, mas ainda não o suficiente.

O vídeo começa por celebrar o que correu bem na representação das mulheres em 2013. Por exemplo, a jovem paquistanesa Malala Yousafzai, que foi eleita uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, ou a maratona de «filibuster» da senadora democrata norte-americana Wendy Davis, que falou quase 11 horas seguidas, de pé e sem poder beber ou ir à casa de banho, para evitar uma lei antiaborto. Incrível. Fantástico. Mas não é suficiente.

O vídeo mostra que ainda há muita gente no centro das atenções dos meios de comunicação que pretende reduzir ou denegrir o papel das mulheres.

Lauren Strapagiel, editora do site Canada.com, defende que o único problema deste vídeo, o que nele parece injusto, é incluir mulheres como Rihanna ou raparigas como Miley Cirus, que optam por se apresentar de forma provocante. Para a jornalista, há uma diferença entre estas mulheres que se autopromovem sexualmente e as imagens de mulheres «ornamentais», como lhes chama no vídeo o editor da revista masculina «Esquire», que são sexualizadas na publicidade de forma exasperante.

Os clipes escolhidos pelo The Representation Project representam apenas uma pequena parte dos retratos terríveis de mulheres na televisão norte-americana, e, como diz o vídeo, as mulheres merecem melhor.