O papa emérito Bento XVI afirmou hoje que foi Deus quem lhe disse para renunciar ao pontificado, informa a agência católica Zenit.

Durante uma das poucas visitas privadas que concedeu após entrar em retiro, Bento XVI, ao ser questionado por um dos seus assistentes sobre a razão da sua decisão, respondeu: «Disse-me Deus», avança a mesma agência.

Ratzinger explicou que não se tratou «de nenhum tipo de aparição ou outro fenómeno do género«, mas de «uma experiência mística», na qual, descreveu, Deus fez crescer no seu coração «um desejo absoluto de permanecer sozinho com ele, recolhido em oração».

Ainda assim, Bento XVI comentou durante esse encontro que, à medida que observa o carisma do papa Francisco, tem cada vez mais certeza de que a sua decisão de renunciar ao pontificado foi a «vontade de Deus».

Durante estes encontros, acrescenta a agência Zenit, o papa emérito «não tem comentado nem revelado segredos, não concede declarações que poderiam ser interpretadas como palavras ditas pelo outro papa, preferindo manter a discrição que sempre o caracterizou».

Ratzinger assinalou também que «observa satisfeito as maravilhas que o Espírito Santo está a operar no seu sucessor», já que «o bem fala por si próprio».