Um chinês foi resgatado das águas territoriais das Senkaku/Diaoyu após ter tentado aterrar, com um balão aerostático, nas ilhas administradas por Tóquio, mas cuja soberania é reivindicada por Pequim, informaram as autoridades japonesas.

Segundo o serviço de guarda costeira do Japão, o homem, resgatado esta quarta-feira, que se identificou como um cozinheiro de 35 anos, revelou que largou de balão da província chinesa de Fujian na manhã do mesmo dia, com a intenção de alcançar a ilha de Uotsuri, que integra o arquipélago Senkaku/Diaoyu.

A guarda costeira da cidade de Naha (sul do Japão) enviou barcos patrulha e um helicóptero para a zona depois de ter recebido um pedido emitido pelas autoridades de Taiwan para que procurassem por um homem desaparecido, detalhou a agência Kyodo.

O homem e o balão foram encontrados duas horas depois, a aproximadamente 22 quilómetros a sul da ilha de Uotsuri.

As autoridades japonesas decidiram não avançar com qualquer acusação contra o cidadão chinês por ter entrado nas suas águas territoriais, dado que não foi possível determinar o ponto exato em que o balão caiu no mar.

Horas depois da operação de busca, o homem foi entregue a uma patrulha chinesa que agradeceu o resgate através de uma mensagem de rádio, de acordo com a guarda costeira.

Apesar de a disputa em torno das ilhas Senkaku/Diaoyu ter décadas, a compra, em setembro de 2012, por parte de Tóquio, de três dos cinco ilhotes do pequeno arquipélago, de apenas sete quilómetros, administrado, de facto, pelo Governo japonês, veio agravar as relações entre a China e o Japão.

O arquipélago desabitado, mas potencialmente rico em recursos minerais, fica no Mar da China Oriental, a cerca de 120 milhas náuticas de Taiwan, que também reclama a sua soberania, e a 200 milhas náuticas de Okinawa, no extremo sul do Japão.