O perímetro de buscas pelo avião malaio desaparecido, que se terá despenhado no oceano Índico, vai ser alargado, anunciaram as autoridades que coordenam as operações para encontrar o Boeing 777 da Malaysia Airlines desaparecido desde 8 de março.

O veículo não tripulado Bluefin-21 concluiu já a busca em 95% do perímetro delimitado pela investigação, com um raio de 10 quilómetros em torno do ponto onde se detetou há duas semanas um dos quatro sinais semelhantes aos emitidos por uma caixa negra de um avião.

«Se não houver registo de qualquer sinal relevante, o Bluefin-21 vai continuar a inspecionar as áreas adjacentes ao perímetro», adiantou o Centro da Coordenação de Agência Conjuntas, no seu último comunicado, citado pela agência de notícias EFE.

A Autoridade Australiana de Segurança Marítima realiza ao mesmo tempo uma busca visual numa área superior a 57 mil quilómetros quadrados situada a 1.584 quilómetros a noroeste de Perth, na costa oeste da Austrália, e na qual participam oito aviões e 11 embarcações.

O Boeing 777 da Malaysia Airlines, que transportava 239 pessoas a bordo, descolou de Kuala Lumpur na madrugada de 8 de março rumo a Pequim, mas pouco depois da descolagem desapareceu dos radares numa ação deliberada de quem se encontrava aos comandos do aparelho que não emitiu qualquer sinal de alerta ou de emergência.

Após terem sido desligados os aparelhos de identificação e localização do avião, este mudou de rota em sentido contrário tendo, segundo os especialistas que estudaram os dados recolhidos pelos sinais emitidos pelos motores, caído no oceano Índico.