O fundador da Wikileaks, Julian Assange, desmente ter problemas cardíacos e pulmonares e informou que pretende sair do exílio na embaixada do Equador em Londres «em breve».

O australiano, de 43 anos, está refugiado na embaixada do Equador em Londres desde agosto de 2012, para escapar à extradição para a Suécia, onde enfrenta acusações de violência sexual interpostas por duas jovens suecas.

A par deste caso, também os Estados Unidos querem penalizar o ciberativista pela divulgação de documentos confidenciais do Governo norte-americano, podendo enfrentar uma pena de prisão até 35 anos.

O jornal britânico Telegraph avança que Julian Assange temer ser detido quando sair da embaixada.

Ricardo Patiño, ministro dos Negócios Estrangeiros do Equador, diz que esta «situação tem de terminar». Para Patino «está na hora de libertar Julian Assange», «está na hora de os seus direitos humanos serem respeitados».